A dor do papa por um ano de guerra na Ucrânia

Ao longo desse ano, Francisco sempre pediu para que ninguém esquecesse o povo ucraniano, martirizado por um conflito "absurdo e cruel", e para que ninguém se acostumasse à barbárie das armas.

Por Amedeo Lomonaco

É o dia 24 de fevereiro de 2022: quando o mundo começa a sair da tempestade da pandemia, a ofensiva militar das Forças Armadas da Federação Russa é lançada contra a Ucrânia. No dia anterior, na Audiência Geral, o Papa Francisco fez um apelo com "grande tristeza em seu coração pelo agravamento da situação: gostaria de apelar aos que têm responsabilidade política, para que façam um sério exame de consciência diante de Deus, que é o Deus da paz e não da guerra". Mas prevalece a lógica oposta, a das armas. Ao amanhecer de 24 de fevereiro, as tropas russas recebem a ordem de invadir a Ucrânia. A decisão veio logo após o reconhecimento das repúblicas separatistas de Donbass, localizadas em território ucraniano, Donetsk e Lugansk. Durante estes doze meses abalados pela guerra, o cardeal Secretário de Estado Pietro Parolin reiterou repetidamente a disponibilidade da Santa Sé a mediar e fazer todo o possível para promover um caminho de diálogo e cooperação.

Abrir fronteiras, corações e portas para os ucranianos em fuga
Após a eclosão do conflito, os apelos do Papa se tornaram súplicas incessantes: "rezamos várias vezes", disse Francisco no Angelus de 27 de fevereiro, "para que este caminho não fosse tomado. E não deixemos de rezar, pelo contrário, supliquemos a Deus com mais intensidade". Dia 2 de março é o dia de oração e jejum, promovido por Francisco, pela paz na Ucrânia. À força da oração se une desde os primeiros dias do conflito a outra face animadora: a da solidariedade. Na audiência general de 2 de março, o Pontífice, saudando os poloneses, lembrou que os cidadãos da Polônia foram os primeiros a apoiar a Ucrânia, abrindo suas fronteiras, seus corações e as portas de suas casas "aos ucranianos que fogem da guerra".

Rios de sangue e lágrimas
angelusO Papa pede a abertura de corredores humanitários, para "garantir e facilitar o acesso da ajuda às áreas sitiadas". No Angelus de 6 de março, Francisco retratou o conflito, em sua dura realidade, com estas palavras: "rios de sangue e lágrimas fluem na Ucrânia". Não é apenas uma operação militar, mas uma guerra, que semeia morte, destruição e miséria. As vítimas são cada vez mais numerosas, assim como as pessoas que fogem, especialmente as mães e as crianças". Ainda no Angelus de 6 de março, o Pontífice também lembrou que dois cardeais foram ao país devastado pela guerra "para servir o povo, para ajudar". São os cardeais Konrad Krajewski e Michael Czerny.

Missão em nome do Papa
Os dois cardeais são enviados diretamente pelo Papa como seus representantes para levar solidariedade e proximidade aos refugiados e vítimas da guerra. A presença deles, diz o Pontífice no Angelus de 6 de março, é a presença "não só do Papa, mas de todo o povo cristão que quer se aproximar e dizer: a guerra é uma loucura! Parem, por favor! Olhem para esta crueldade". O cardeal Czerny encontra refugiados em fuga em centros de acolhida na Hungria e atravessa a fronteira para a aldeia ucraniana de Beregove.

Durante este ano de guerra, as missões do cardeal Krajewski são várias. Em uma delas, em setembro, o esmoleiro pontifício esteve envolvido em um tiroteio. Mas a missão não para e o cardeal continua a levar ajuda, comida, terços e a bênção de Francisco para que ninguém se sinta só. Ele reza diante dos muitos corpos enterrados em valas comuns em Izyum. Na Ucrânia, Krajewski leva geradores e camisetas térmicas e entrega duas ambulâncias doadas pelo Papa. Em maio, o secretário para as Relações com os Estados e Organizações Internacionais, dom Paul Richard Gallagher, também foi à Ucrânia. Ele visitou as cidades mártires de Vorzel, Irpin e Bucha, onde rezou em frente à vala comum perto da igreja ortodoxa de Santo André.

Em nome de Deus, pare o massacre
Pôr fim à guerra. Este é o pedido incessante que tem acompanhado as palavras do Papa desde o início do conflito. No Angelus de 13 de março, o Papa Francisco pediu deter, em nome de Deus, o massacre neste país martirizado. E ele lembra que a cidade de "Mariupol se tornou uma cidade mártir da guerra dilacerante". Em 14 de março, Francisco, dirigindo-se a uma Associação com um propósito de promoção ética e social, convida as pessoas a refletirem sobre como o homem pode ignorar os ensinamentos da história: "várias guerras regionais e especialmente a guerra atual na Ucrânia, mostram que aqueles que governam os destinos dos povos ainda não entenderam a lição das tragédias do século 20".

Videochamada com Kirill
Dia 16 de março foi o dia da videochamada entre o Papa e o Patriarca de Moscou Kirill. O diretor da Sala de Imprensa vaticana, Matteo Bruni, relata que a conversa se centrou "na guerra na Ucrânia e no papel dos cristãos e seus pastores em fazer tudo para garantir que a paz prevaleça". Francisco concordou com o Patriarca que "a Igreja não deve usar a linguagem da política, mas a linguagem de Jesus". "Quem paga a conta da guerra", acrescentou o Papa, "é o povo, os soldados russos e é o povo que é bombardeado e morre". As guerras", concluiu, "são sempre injustas". Porque quem paga é o povo de Deus".

A guerra é desumana e sacrílega
Os dias passam e "a agressão violenta contra a Ucrânia não para, infelizmente". "Um massacre sem sentido onde todos os dias se repetem massacres e atrocidades", lembra o Papa novamente no Angelus de 20 de março. "Tantos avós, doentes e pobres, separados de suas famílias, tantas crianças e pessoas frágeis permanecem para morrer sob as bombas, sem poder receber ajuda". "Tudo isso é desumano! De fato, também é sacrílego, porque vai contra a sacralidade da vida humana, especialmente contra a vida humana indefesa, que deve ser respeitada e protegida, não eliminada, e que vem antes de qualquer estratégia! Não esqueçamos: é uma crueldade, desumana e sacrílega".

O conflito ameaça o mundo inteiro
É insuportável "ver o que ocorreu e está ocorrendo na Ucrânia". Dirigindo-se aos participantes de um encontro promovido pelo Centro Italiano da Mulher em 24 de março, o Pontífice explicou que a tragédia no país do Leste Europeu é "fruto da velha lógica de poder que ainda domina a chamada geopolítica". "A história dos últimos setenta anos demonstra isto: nunca faltaram guerras regionais; por isso eu disse que estávamos na terceira guerra mundial em pedaços, um pouco por toda parte; até esta, que tem uma dimensão maior e ameaça o mundo inteiro".

Ato de Consagração ao Imaculado Coração de Maria
Em 25 de março Francisco presidiu a celebração penitencial na Basílica de São Pedro e ao final recitou a oração da Consagração ao Coração Imaculado de Maria da humanidade e em particular dos povos da Rússia e da Ucrânia. "Liberte-nos da guerra, preserve o mundo da ameaça nuclear.... Acabe com a guerra, dê paz ao mundo". Em união com os bispos e fiéis do mundo, o Papa traz ao Imaculado Coração de Maria tudo o que a humanidade está experimentando: "Não é uma fórmula mágica, não, não é isso; mas é um ato espiritual". É o gesto - explicou o Papa em sua homilia durante a celebração da Penitência - da plena confiança das crianças que, na tribulação desta guerra cruel e desta guerra sem sentido que ameaça o mundo, recorrem à Mãe".

O futuro está sendo destruído
Pouco mais de um mês após o início da guerra, que o Papa chama de "cruel e sem sentido", uma criança entre duas foi deslocada da Ucrânia. "Isto significa destruir o futuro", salientou Francisco no Angelus de 27 de março. Na audiência geral de 6 de abril, recordando a viagem apostólica a Malta, o Papa enfatizou que "após a Segunda Guerra Mundial foi feita uma tentativa de lançar as bases de uma nova história de paz, mas infelizmente - não aprendemos - a velha história de grandes potências concorrentes continuou". E no cenário atual na Ucrânia vemos "a impotência da Organização das Nações Unidas". As notícias sobre a guerra, "em vez de trazer alívio e esperança, ao invés disso, testemunham novas atrocidades, como o massacre de Bucha", recordou o Pontífice, referindo-se às "crueldades cada vez mais horrendas" realizadas até mesmo contra "civis, mulheres e crianças indefesas".

Uma bandeira que vem da guerra
No final da audiência geral de 6 de abril, o Papa mostra uma bandeira que veio da cidade martirizada de Bucha e dá as boas-vindas a um grupo de crianças da Ucrânia no palco da Sala Paulo VI. As cores azul e amarela tão desbotadas parecem verdes. Acima dela é desenhada uma cruz e ao redor a escrita em ucraniano lembrando a resistência durante a revolução Maidan em 2014: 'Precisamente de Bucha', diz o Papa, 'eles me trouxeram esta bandeira'. Esta bandeira vem da guerra". "Estas crianças", acrescenta, "tiveram que fugir e chegar a uma terra estrangeira: este é um dos frutos da guerra".

Paz para a martirizada Ucrânia
Em sua Messaggio Urbi et Orbi para a Páscoa do ano passado, Francisco exortou a deixar "a paz de Cristo entrar em nossas vidas, nossas casas, nossos países". "Que haja paz para a Ucrânia martirizada, tão duramente provada pela violência e destruição da guerra". O Pontífice pede um compromisso de clamar pela paz: "Por favor, por favor: não nos acostumemos à guerra". E ele recorda o terrível sofrimento sofrido pelo povo ucraniano: "Trago no coração todas as muitas vítimas, os milhões de refugiados e deslocados internos, as famílias despedaçadas, os idosos deixados sozinhos, as vidas destroçadas e as cidades arrasadas".

A Maria as lágrimas do povo ucraniano
Em 8 de maio, muitos fiéis se reuniram em torno da venerada imagem de Maria no Santuário de Pompeia para dirigir a ela a Suplica. "Ajoelhado espiritualmente diante da Santíssima Virgem", disse o Papa após o Regina Caeli, "confio a ela o ardente desejo de paz de tantos povos que em várias partes do mundo sofrem a insensata desgraça da guerra". À Santíssima Virgem eu apresento em particular os sofrimentos e as lágrimas do povo ucraniano". Francisco, então, exortou novamente as pessoas a se confiarem à oração: "diante da loucura da guerra, continuemos, por favor, a rezar o terço pela paz todos os dias". Em 13 de maio, reunido com os diretores e funcionários da autoridade nacional de aviação civil, Francisco expressou uma esperança: "Que os céus sejam sempre e somente céus de paz, que possamos voar em paz para estabelecer e consolidar relações de amizade e paz".

Não usar o trigo como arma
Em junho de 2022, a primeira audiência geral é marcada por um apelo: "traz grande preocupação o bloqueio das exportações de trigo da Ucrânia, das quais depende a vida de milhões de pessoas, especialmente nos países mais pobres. Faço um apelo sincero para que sejam feitos todos os esforços para resolver esta questão e para garantir o direito humano universal à alimentação". Por favor, não usem o trigo, um alimento básico, como arma de guerra".

O desejo de ir à Ucrânia
Durante estes 12 meses dilacerados pelo conflito, o Papa Francisco expressa repetidamente seu desejo de viajar à Ucrânia. Em 4 de junho, ele encontra os participantes do “Trem das crianças” do Pátio dos Gentios. A uma delas, uma criança ucraniana, ele dirige estas palavras: "Eu gostaria de ir à Ucrânia; só que, tenho que esperar o momento para fazê-lo, sabe? Porque não é fácil tomar uma decisão que pode fazer mais mal ao mundo inteiro do que bem". Tenho que procurar o momento certo para fazê-lo". Em 5 de junho, na solenidade de Pentecostes e "cem dias após o início da agressão armada contra a Ucrânia", o Papa no Regina Caeli sublinhou que a guerra "é a negação do sonho de Deus: povos em confronto, povos que se matam uns aos outros, povos que, em vez de se aproximarem, são expulsos de suas casas". E ele renova seu apelo aos líderes das nações para que não levem "a humanidade à ruína".

A voz da humanidade que clama pela paz é sufocada
Uma semana depois, em 12 de junho, o pensamento de Francisco, ainda no Angelus, voltou-se para "o povo da Ucrânia, afligido pela guerra". "O tempo que passa não esfriou nossa dor e nossa preocupação com esse povo martirizado". Por favor, não nos acostumemos a esta trágica realidade! Tenhamo-lo sempre em nossos corações". Rezemos e lutemos pela paz". Em sua mensagem para o VI Dia mundial dos pobres, que leva a data de 13 de junho, o Pontífice enfatiza que "a guerra na Ucrânia veio para se juntar às guerras regionais que nos últimos anos está causando morte e destruição. Mas aqui o quadro é mais complexo devido à intervenção direta de uma "superpotência" que pretende impor sua vontade contra o princípio da autodeterminação dos povos. Cenas de trágica memória estão se repetindo, e mais uma vez a chantagem mútua de alguns poucos poderosos está cobrindo a voz da humanidade que clama pela paz".

Fonte: Vatican News

Deixe uma resposta

dezenove − seis =