Joaquim e Ana ajudem-nos a honrar nossos avós e idosos

“Joaquim e Ana intercedam por nós! Ajudem-nos a guardar a história que nos gerou e a construir uma história geradora. Que eles nos lembrem a importância espiritual de honrar os nossos avós e os nossos idosos, aprender com a sua presença para construir um futuro melhor: um futuro onde os idosos não sejam descartados porque ‘já não são de utilidade’; um futuro que não julgue o valor das pessoas só pelo que produzem": disse o Papa Francisco na Missa desta terça-feira (26/06) em Edmonton, no Canadá
Por Raimundo de Lima
Foto: Vatican Media

“Na casa de Joaquim e Ana, o pequenino Jesus conheceu os idosos da sua família e experimentou a proximidade, a ternura e a sabedoria dos avós”: disse o Papa Francisco na Missa celebrada no Estádio Commonwealth, em Edmonton, no Canadá, esta terça-feira, 26 de julho, em que a Igreja celebra a Festa de São Joaquim e Sant’Ana, pais de Nossa Senhora, sendo também celebrado nesta data o Dia dos Avós e Bisavós. O povo canadense é muito ligado à festa dos avós de Jesus.

Filhos duma história que devemos guardar

Já no início de sua homilia, o Santo Padre convidou a pensar, também nós, nos nossos avós, e a refletir sobre dois aspectos importantes. O primeiro: somos filhos duma história que devemos guardar.

“Não somos indivíduos isolados, não somos ilhas; ninguém vem ao mundo desligado dos outros. As nossas raízes, o amor com que fomos aguardados e que recebemos ao vir ao mundo, os ambientes familiares onde crescemos, fazem parte duma única história, que nos precedeu e gerou. Não a escolhemos, mas recebemo-la de prenda; é uma prenda que somos chamados a guardar. Pois, como nos lembrou o livro do Eclesiástico - disse o Papa referindo-se à primeira Leitura -, somos ‘a posteridade’ de quem nos precedeu, a sua ‘rica herança’. Uma herança cujo centro, mais do que nas proezas ou na autoridade de uns, na inteligência ou na criatividade do canto e da poesia de outros, está na justiça, na fidelidade a Deus, à sua vontade. E isto no-lo transmitiram.”

Francisco lembrou que estamos aqui “estamos aqui graças aos pais, mas também graças aos avós que nos fizeram experimentar ser bem-vindos no mundo. Muitas vezes foram eles a amar-nos sem reservas e sem nada esperar de nós: tomaram-nos pela mão quando tínhamos medo, tranquilizaram-nos na escuridão da noite, encorajaram-nos quando, à luz do sol, devíamos enfrentar as opções da vida”. Graças aos nossos avós, acrescentou o Pontífice, recebemos uma carícia da parte da história que nos precedeu: “aprendemos que o bem, a ternura e a sabedoria são raízes sólidas da humanidade. Na casa dos avós, muitos de nós respiramos o perfume do Evangelho, a força duma fé que tem o sabor de casa. Graças a eles, descobrimos uma fé familiar, doméstica; sim, porque é deste modo que se comunica essencialmente a fé”. O Papa ressaltou que somos filhos, porque somos netos.

Artesãos duma história a construir

Francisco ateve-se, em seguida, sobre o segundo aspecto acerca do qual quis refletir: além de filhos duma história a guardar, somos artesãos duma história a construir. Cada um pode reconhecer aquilo que é, com as suas luzes e sombras, conforme o amor que recebeu ou que lhe faltou.

“O mistério da vida humana é este: todos somos filhos de alguém, gerados e plasmados por alguém, mas, uma vez tornados adultos, somos também chamados a ser geradores, pais, mães e avós de outrem. Por conseguinte, olhando para a pessoa que somos hoje, que queremos fazer de nós mesmos? Os avós de quem descendemos, os idosos que sonharam, esperaram e se sacrificaram por nós, lançam-nos uma pergunta fundamental: Que sociedade quereis construir? Recebemos tanto das mãos de quem nos precedeu, que queremos deixar em herança à nossa posteridade?”

“Uma fé viva ou uma fé tipo ‘água de colônia’, uma sociedade fundada no lucro dos indivíduos ou na fraternidade, um mundo em paz ou em guerra, uma criação devastada ou uma casa ainda acolhedora? – continuou o Pontífice.

O Senhor nos quer tecelões de esperança, operadores de paz

Francisco observou que muitas vezes se avalia a vida com base no dinheiro que se ganha, na carreira que se faz, no sucesso e consideração que se recebem dos outros. Mas estes não são critérios geradores. “O problema é: Estou a gerar vida? Estou introduzindo na história um novo e renovado amor que antes não havia? Estou a anunciar o Evangelho onde estou a viver, estou a servir alguém gratuitamente, como fez comigo quem me precedeu? Que faço pela minha Igreja, pela minha cidade e a sociedade? É fácil criticar, mas o Senhor não nos quer apenas críticos do sistema, não nos quer fechados e ‘retrógrados’, mas artesãos duma história nova, tecelões de esperança, construtores do futuro, operadores de paz.”

“Joaquim e Ana intercedam por nós! Ajudem-nos a guardar a história que nos gerou e a construir uma história geradora - continuou o Santo Padre. Que eles nos lembrem a importância espiritual de honrar os nossos avós e os nossos idosos, aprender com a sua presença para construir um futuro melhor: um futuro onde os idosos não sejam descartados porque ‘já não são de utilidade’; um futuro que não julgue o valor das pessoas só pelo que produzem; um futuro que não seja indiferente com quem, já em idade avançada, precisa de mais tempo, escuta e solicitude; um futuro onde, para ninguém, se repita a história de violência e marginalização sofrida pelos nossos irmãos e irmãs indígenas."

Francisco concluiu afirmando tratar-se de um futuro possível “se, com a ajuda de Deus, não quebrarmos o vínculo com quem nos precedeu e alimentarmos o diálogo com quem virá depois de nós: jovens e idosos, avós e netos, em conjunto. Avancemos juntos, sonhemos juntos”.

Fonte: Vatican News

Deixe uma resposta

3 × 3 =