Minas continuam a matar milhares de pessoas

Foto: EPA/Spc. J. Tashun Joyce

Foto: EPA/Spc. J. Tashun Joyce

O ano passado morreram mais de 2 mil pessoas em explosões provocadas por minas terrestres e mais de 5 mil ficaram feridas. Muitas ações de desminagem foram suspensas por causa da pandemia

Por Francisco Pedro

Mesmo com os avanços no combate ao uso de minas terrestres, continuam morrendo pessoas devido ao uso deste tipo de artefatos nos conflitos de longa duração, sobretudo pelos grupos armados não estatais. Em 2019, segundo dados recolhidos pela organização “Monitor de Minas Terrestres”, as minas causaram a morte a cerca de 2.200 civis e ferimentos em mais 5.500.

De acordo com uma especialista que participou na pesquisa, apesar das campanhas de consciencialização sobre o risco de minas serem eficientes nas comunidades, os acidentes com civis geralmente são causados por pessoas que precisam ou procuram alimentos. Os homens representam mais de 80% das vítimas civis e militares, porque têm mais tendência para arriscar e são também mais ativos fora de casa especialmente na agricultura. E quase metade de todas as vítimas fatais civis, nos últimos anos, são crianças.

O ano passado as ações desminagem permitiram o desmantelamento de mais de 269 mil minas, mas este ano, devido à pandemia de Covid-19, verificou-se uma redução nas ações de limpeza, enquanto muitos dos conflitos não dão sinais de abrandamento. O relatório descreve que os grupos armados não estatais continuam plantando minas terrestres em pelo menos seis países: Afeganistão, Colômbia, Índia, Líbia, Myanmar e Paquistão.

Fonte: Fátima Missionária

Deixe uma resposta

quatro − 2 =