Em defesa dos imigrantes, ONU conta com papa Francisco

O discurso de Francisco aos membros do corpo diplomático junto à Santa Sé sobre o combate aos nacionalismos e a busca por soluções comuns entre as nações foi analisado pelo Observador Permanente da Santa Sé na ONU, Dom Bernadito Auza.

Por Federico Piana, Andressa Collet

Do estado de saúde do multilateralismo à emersão de tendências nacionalistas e populistas, passando pela guerra na Síria, os pactos globais sobre refugiados e migrantes, assim como a reforma da ONU. Dom Bernadito Auza, núncio apostólico e Observador Permanente da Santa Sé nas Nações Unidas, comentou o recente discurso do Papa Francisco ao corpo diplomático junto à Santa Sé, em audiência na segunda-feira (7 de janeiro de 2019), no Vaticano.

Nacionalismos: os inimigos da ONU
Os nacionalismos crescentes e a busca ansiosa por soluções unilaterais que geram opressão do mais fraco pelo mais forte, como recordou o Pontífice, não podem deixar a ONU indiferente. Porque, sem o multilateralismo, a ONU não teria porque existir, já que está no seu DNA. Dom Auza explica que a maioria dos membros das Nações Unidas estão “conscientes das problemáticas levantadas pelo Santo Padre e que sentem na própria pele”.

papafrancisco2No ano passado, a presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas, María Fernanda Espinosa, realizou uma consulta com os chefes das missões para verificar as condições de saúde do multilateralismo: “foi revelado que, mesmo com dificuldades, a ONU promove a política plurilateral. E a fará sempre com mais vigor no futuro”, afirma o observador.

O que serve, porém, são reflexões profundas sobre os mecanismos que, na prática, podem dificultar a busca de soluções compartilhadas entre os Estados-membros. Dom Auza descreve como “os desafios integrais às estruturas da ONU”. Basta citar, em se tratando da paz e da segurança internacional, “o veto dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança”, explica ele: “é aqui que emergem os interesses nacionais e regionais, as rivalidades. Quanto mais sério e amplo é um conflito, mais prováveis são os vetos cruzados. Esse é um dos grandes desafios das Nações Unidas”.

Repensar políticas de ajuda internacional
No discurso aos embaixadores, o Papa Francisco denunciou a pressão de grupos de interesse e poder que impõem as próprias ideias e visões do mundo, gerando “novas formas de colonização ideológica”. O desenvolvimento e a ajuda internacional são terrenos férteis para esse condicionamento.

Dom Auza, em acordo com a análise do Pontífice, acrescenta que “há uma imposição da vontade e dos projetos dos países doadores, em vez de considerar as verdadeiras necessidades das nações que deveriam se beneficiar com os recursos. Os ricos doadores, normalmente europeus e da América do Norte, dão dinheiro para determinados programas que querem realizar naquele país. Penso à saúde reprodutiva e sexual, aos ‘objetivos para o desenvolvimento 2030’".

“ É imposição ideológica. Papa tem razão. É preciso repensar a política internacional de ajuda ao desenvolvimento. ”

Reforma ONU: grande vontade perante extrema dificuldade
Dom Auza acredita que a ONU seja uma caixa de ressonância para os países mais pobres e menos ouvidos. O próprio Papa Francisco pediu claramente à comunidade internacional para ser a voz de quem não tem voz: “a ONU tenta fazer isso, mesmo com inúmeras dificuldades”, afirma o observador.

Ao entrar no mérito da ambiciosa reforma da instituição, assumida pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, Dom Auza comenta: “o sistema atual, segundo o secretário-geral, não funcionou e a estrutura não está mais adequada aos nossos tempos. Procura se criar uma estrutura capaz de ajudar realmente os países marginalizados e que sofrem. Vejo uma grande vontade, mas também uma extrema dificuldade”.

O Observador Permanente da Santa Sé adverte que não serve multiplicar as estruturas quando “os recursos econômicos necessários não existem. O dinheiro destinado ao desenvolvimento é uma parte muito pequena em relação àquele investido para resolver os conflitos armados. Seria necessário reequilibrar os fundos disponíveis do sistema da ONU”.

ONU e Papa em defesa da Síria e refugiados
As prioridades do Papa para resolver a crise na Síria e as dificuldades dos refugiados rejeitados do ocidente também são as prioridades da ONU. Essa é uma garantia de Dom Auza, partindo justamente da Síria: “é um conflito em que podemos ver claramente o confronto entre as rivalidades regionais e internacionais. Não se diz nunca que a Síria é uma vítima, sozinha. Os poderes regionais deveriam poder encontrar um acordo por uma saída com dignidade”.

Sobre os migrantes, então, Dom Auza faz menção ao pacto global adotado neste ano por muitas nações e diz: “a Santa Sé contribuiu em modo substancial ao pacto global sobre as migrações. As Nações Unidas teriam desejado a participação do Papa na Conferência de Marrakech (aquela onde foi lançado o documento), mas talvez não tenha sido possível. Mesmo assim, a ONU conta muito com a voz do Papa em defesa dos refugiados, porque é certo que pode influenciar os países que têm uma postura dura em relação a quem deveria ser ajudado e não rejeitado”.

Fonte: Vatican News

Deixe uma resposta

um × 2 =