Não à inércia e à indiferença

No dia 15 de outubro a Igreja recorda para nós uma mulher totalmente voltada à contemplação e ao absoluto de Deus: Santa Teresa de Jesus, ou Teresa D´Ávila.

Por Geovane Saraiva*

A sabedoria de Deus é dom e graça, acima de qualquer outro bem, vida concedida aos que desejam, num belo e maravilhoso mergulho no seu infinito amor, numa vida regulada pela fecunda generosidade, indo ao encontro dos irmãos, favorecendo a vida dos mais frágeis e indefesos. Os tempos são difíceis, mas contamos com a mão do Senhor a apontar o caminho da esperança, como nas palavras de Dom Helder: "Quando houver contraste entre a tua alegria e um céu cinzento, ou entre a tua tristeza e um céu em festa, bendiz o desencontro, que é um aviso divino de que o mundo não começa e nem acaba em ti".

teresadavila1Em 2017, a Igreja do Brasil celebrou, com grande alegria, o jubileu dos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, quando, agradecida, recordou-se do misterioso acontecimento, na pesca milagrosa de 1717, no Rio Paraíba do Sul, SP. A solenidade de 12 de outubro é um aviso aos cristãos, de que a Mãe de Deus não cessa de dizer que temos que nos colocar no verdadeiro caminho, aquele revelado por seu filho, Jesus, claro no Evangelho. Nela somos animados, em nossa persistente caminhada do dia a dia, a prosseguirmos rumo ao definitivo, sem nunca esquecer que é árdua e exigente a vida dos seguidores de Jesus de Nazaré.

Já no dia 15 de outubro, logo após a Festa da Padroeira, a Igreja recorda para nós uma mulher totalmente voltada à contemplação e ao absoluto de Deus que, como Maria, escolheu a melhor parte, que nunca lhe será tirada. Trata-se de Santa Teresa de Jesus, religiosa carmelita espanhola (1515-1582), que marcou uma época, sobretudo por sua engenhosa capacidade de educar na fé, recordando sua genial inteligência, com reflexos em todo o mundo cristão, sinal cristalino da força reveladora de Deus.

Teresa D'Ávila, com seus escritos "Castelo Interior" e "Caminho de Perfeição", ofertou ao mundo sua própria experiência de vida contemplativa e, pela literatura, seu lado místico imorredouro. Ela soube colocar, diante dos olhos, na mente e no coração, o Deus grande, glorioso e esplêndido, sendo a razão do seu viver, indicando-nos o caminho da transcendência e da benevolência divina. A sabedoria e a força descomunal e atemporal de Teresa de Jesus também estimula os cristãos no seguimento de Jesus de Nazaré, num mundo em contraste e cinzento, com um não à inércia e à indiferença.

*Geovane Saraiva é padre, jornalista, colunista e pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE. Da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza.

Deixe uma resposta

dezenove − 14 =