Países ricos acolhem menos refugiados

Os seis países mais ricos do mundo acolhem apenas menos de 9% da população de refugiados.

Por Francisco Pedro

Os seis países mais ricos do mundo acolhem apenas menos de 9% da população de refugiados, segundo um estudo revelado esta segunda-feira, 18 de julho, pela organização não governamental Oxfam. Em conjunto, receberam 2,1 milhões de pessoas, quando o mesmo número de países mais pobres acolheram quase 12 milhões de refugiados e requerentes de asilo.

LE_Eithne_Operation_TritonSegundo a organização, Estados Unidos da América, China, Japão, Alemanha, França e Reino Unido, países que representam 60 por cento da economia mundial, acolheram 2,1 milhões de pessoas que fugiram à guerra, sendo que um terço destes refugiados vive na Alemanha. Ao contrário, a Jordânia, Turquia, Paquistão, Líbano, Palestina e África do Sul, que apenas representam dois por cento da economia global, viram chegar ao seu território quase 12 milhões de refugiados e requerentes de asilo.

"É vergonhoso que tantos governos virem as costas a milhões de pessoas que tanto estão a sofrer ao verem-se forçadas a fugir das suas casas, que se encontram numa situação de grave vulnerabilidade e que, com frequência, se veem obrigadas a pôr em risco as suas vidas na procura de proteção", explica Winnie Byanyima, diretora executiva da Oxfam Internacional.

A organização estima que mais de 65 milhões de pessoas teve que fugir das suas terras devido a conflitos armados, perseguição e violência. A maioria deslocou-se dentro do próprio país e o resto são refugiadas ou requerentes de asilo. A guerra na Síria provocou um grande aumento de deslocamentos forçados, mas para esta estatística contribuíram também a violência no Sudão do Sul, Burundi, Irã e Iemen.

Fonte: Fátima Missionária

Deixe uma resposta

dezesseis + sete =