O semáforo, um símbolo fala mais do que muitas palavras

A imagem do semáforo leva a perceber o quanto é importante se acostumar a ter um certo planejamento para a própria vida, para que não aconteçam 'sustos e sofrimentos' muitas vezes desnecessários.

Por Rosa Clara Franzoi *
Foto: Divulgação

Caro jovem! Você, como eu, muitas vezes se encontra diante de um semáforo querendo atravessar a rua. Desde criança aprendemos o que ele significa, qual é a sua função, como devemos proceder em relação a ele e que se não respeitarmos as normas, podemos causar trágicos acidentes. Pois bem, é esta simples imagem o tema desta reflexão.

Os cruzamentos da vida

Afirmamos, com todas as letras, que sabemos qual é a função de um semáforo colocado no cruzamento de uma rua. Mas, talvez, o que não sabemos ou não damos a devida importância é que na vida pessoal existem muitos semáforos com a missão de chamar a nossa atenção diante do perigo e nós nem estamos aí... Resultado: aumenta o número de pessoas que se arrependem de terem tomado caminhos errados, simplesmente porque não tiveram a calma de parar, refletir e só depois decidir. Faltou apenas fazer o que sempre se faz diante de um semáforo.

O projeto

Constatamos que na vida, quase sempre o que é feito de repente, de improviso, tende a trazer algum problema. E é fácil entender a causa. Simplesmente porque a coisa não foi preparada, programada, planejada. Depois, se quer correr para recuperar o que se perdeu... A imagem do semáforo leva a perceber o quanto é importante se acostumar a ter um certo planejamento para a própria vida, para que não aconteçam “sustos e sofrimentos” muitas vezes desnecessários.

Hoje está na moda entre os jovens ter um projeto de vida que nada mais é do que ter um mínimo de organização no ser e no fazer. E a cada fato novo que aparece, parar, observar com inteligência e bom senso, se a proposta apresentada vai ajudar a crescer, a viver melhor; do contrário, deve-se ter a coragem de rejeitar, de ‘cair fora’. Este proceder é um hábito que se vai adquirindo aos poucos. Especialmente hoje, não é tão fácil viver assim, porque tudo ao nosso redor corre vertiginosamente; porém, é um hábito que precisa ser conquistado para não se incorrer em tantas frustrações, enganos e desânimos. O projeto é importante para todos, mas especialmente para os que começam a viver e que têm uma vida e um futuro para serem construídos. Não se diz que a adolescência, a juventude, é a idade dos sonhos? E é bom que seja assim. É bom sonhar! Há quem diga que a realização e o sucesso pessoal são formados de pedacinhos de sonhos, sonhados no passado, alimentados no presente e concretizados no futuro.

Meu futuro começa hoje

Nunca esqueçamos que o nosso futuro começa aqui e agora. Ele será o reflexo daquilo que eu for capaz de construir hoje, com a influência de tudo o que me rodeia, de bom e de mal. As vozes que seduzem, as pérolas que brilham, as ilusões que arrastam, podem ser comparadas com as encruzilhadas da vida. Prestemos atenção que o semáforo está lá para nos sugerir como agir. Assim, quando chegar a hora de tomar a decisão maior, nos sentiremos mais tranquilos e seguros.

Para refletir:

Ler Gn 1, 2,1-4 e procurar responder:

1. O mundo foi criado em sete dias. Qual é o meu comportamento diante de alguma decisão importante? Sei parar para refletir ou “embarco” no primeiro trem que passa?

2. A cada coisa que Deus ia criando, ele via que tudo era bom. Tenho costume de programar o meu tempo, planejar e avaliar o que faço?

3. O escritor Kesselmeier diz: “A cada novo dia Deus me dá uma tela nova e me deixa a liberdade de escolher as tintas”. Tenho eu a consciência de que o desenho fica por minha conta?

* Rosa Clara Franzoi, MC, é animadora vocacional.
(CC BY 3.0 BR)

Deixe uma resposta

14 + cinco =