Neo-sacerdote João Batista Amâncio celebra primeira missa em sua terra natal

Elísio Assunção

Pilõezinhos, terra natal de João Batista, vestiu-se de festa para a primeira missa do jovem presbítero celebrada neste domingo, dia 10. O povo encheu completamente o templo, ocupando todos os espaços, até mesmo à volta do altar

"Estamos preparados para acolher e testemunhar a sua primeira missa, hoje, 10 de Julho de 2011", anunciava o comentarista Jailsson Maia à numerosa assembleia congregada na igreja de Pilõezinhos, na Paraíba. "Vamos acompanhar com muita alegria a entrada do celebrante, coroinhas, leitores e ministros, até ao presbitério, cantando com fé o cântico de entrada". Soaram os primeiros acordes do "Quero seguir teu apelo, Senhor!". Desde manhãzinha cedo os fiéis começaram a ocupar os lugares para participarem na primeira missa do missionário da Consolata, João Batista, ordenado na véspera pelo bispo Francisco Lucena. Nos primeiros bancos estavam a mãe do neo-sacerdote, Maria Francisca, e os irmãos e demais familiares.

"Pilõezinhos já deu fruto. Deu três padres à Igreja. E, hoje, um padre para a missão, para a universalidade", explicou o padre João Batista, antes de apresentar o pregador que ele escolheu para a sua primeira missa. "Este povo quer-te bem e ama-te", começou por dizer o superior provincial dos missionários da Consolata do Brasil, Lírio Girardi. "A tua família é uma família abençoada. Quero pedir esta bênção para todas as famílias de Pilõezinhos, para que todas se sintam abençoadas". Dirigiu-se em seguida à mãe do padre João Baptista: "Ela é hoje o centro desta comunidade, neste dia em que ela vê o seu filho celebrar a Eucaristia para o seu povo". Maria Francisca, mãe do neo-sacerdote é viúva e sofre de várias doenças. No entanto confidenciou ao padre Lírio Girardi: "Agradeço a Deus a graça de poder ver o meu filho sacerdote. Deu-me a alegria profunda de ver o meu João sacerdote". O superior dos missionários da Consolata agradeceu-lhe o "presente bonito" que a sua família deu "a Deus, à Igreja e à Consolata. Fico-lhe grato e essa gratidão vem de todos nós. Sentimo-nos felizes de ter um colega como o padre João Batista".

O neo-sacerdote foi "agraciado pelo dom do sacerdócio a que generosamente respondeu". O sacerdote, disse o orador, "é um homem de Deus, antes de mais. Deus é a razão da vida do sacerdote". O sacerdote é "homem da Palavra de Deus". João Batista é "amante da Palavra de Deus". O sacerdote existe "não para si, nem sequer apenas para a sua família; existe para o povo de Deus, para a Igreja. Como missionário que é, está aberto ao mundo inteiro". O povo gosta do sacerdote, quando "percebe que ele deixou tudo, deixou a família, deixou os irmãos, deixou a sua terra. Mas guarda no seu coração a dedicação e o amor ao seu povo". A celebração da primeira missa terminou com o testemunho de várias pessoas que estiveram ligadas ao desenvolvimento da vocação missionária e sacerdotal do jovem presbítero.

Fonte: Fátima Missionária

Deixe uma resposta

três × 2 =