Muticom: Painel discute a importância da comunicação na vida

Jaime C. Patias

"Comunicação como processo de valorização da vida" foi tema do painel que abriu o quarto dia do 7° Mutirão de Comunicação, nesta quarta-feira, 20, na PUC do Rio de Janeiro. Entre os conferencistas, estavam o reitor da PUC-Rio, padre Josafá Carlos de Siqueira, S.J., a teóloga e professora do Departamento de Teologia da PUC-Rio, Maria Clara Bingemer, o professor do Instituto de Psicologia da UFRJ, Joel Birman, e o jornalista da Globo News, André Trigueiro. Sob a mediação do assessor de imprensa da CNBB, padre Geraldo Martins, o público pode refletir sobre a importância de uma comunicação ética que valorize a vida.

Abrindo o painel, padre Josafá sublinhou a necessidade de se ver o mundo de uma maneira integrada. Partindo do que chamou de "anterioridade da comunicação da vida", o reitor destacou a importância de se comunicar numa perspectiva holística, onde o social e o ambiental estão articulados. Essa perspectiva requer uma visão planetária e cosmocêntrica, com postura antropológica, no diálogo intercultutal e interreligioso, praticando uma comunicação afetividade que abraça uma causa com princípios. Por fim, sublinhou também, a importância da dimensão humana espiritual.

Refletindo sobre teologia e comunicação, a professora Maria Clara Bingemer iniciou sua exposição afirmando que "Deus se comunica e fala em si mesmo, por outro lado, o ser humano é um ouvinte da palavra chamado a se engajar numa ação transformadora". Sublinhou ainda que Deus é uma comunicação ética e deseja que suas criaturas sejam o mesmo. "Deus falou de muitas formas até chegar Jesus Cristo que é a Palavra de Deus encarnada, a perfeição da comunicação entre Deus e a humanidade que tem sua beleza na diversidade", explicou. "Deus nos comunica o seu amor e o Espírito Santo nos ensina que o ser humano é feito para amar", concluiu a teóloga.

O professor Joel Birman abordou o tema no campo da psicologia e destacou o papel vital da comunicação. O psicólogo mostrou que é através da linguagem, do simbolismo e da fala que o ser humano consegue construir a vida. "Nossos atos de comunicação, ou seja, qualquer palavra antes de significar algo, ela significa algo para alguém, para quem endereçamos nossa fala. Se a nossa vida depende da resposta do outro, essa resposta torna nossa vida possível", concluiu.

 

Para completar o painel, o jornalista André Trigueiro discorreu sobre a comunicação e meio ambiente. Ao iniciar, resumiu sua exposição em duas palavras: "senso de urgência" que, segundo Trigueiro, "deve reger o trabalho dos jornalistas e comunicadores em defesa da vida nos planos coletivo e individual, em particular na prevenção do suicídio". O jornalista alertou para a responsabilidade que os profissionais da comunicação devem ter com as palavras e as imagens veiculadas. "Apesar de toda a tecnologia, do conhecimento e descobertas, a nossa civilização vive um ecocídio, com o consumo de recursos naturais não renováveis numa escala sem precedentes da história. Isso representa altos riscos para a vida no planeta", afirmou. Trigueiro disse, ainda, que a função do comunicador, hoje, é estratégica em denunciar o que está errado e comunicar iniciativas em favor da vida. "Também não adianta derramar sobre os jovens toda a desgraça, por que isso vai desarmar toda a sua capacidade criativa de buscar soluções". Para Trigueiro, reportar a crise significa "instigar principalmente os jovens na busca de soluções", sugeriu.

Como parte da programação do 7º Muticom, evento que se estende até sexta-feira, dia 22, esta noite serão entregues os Prêmios de Comunicação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB nas categorias: Dom Helder Câmara, de Imprensa; Clara de Assis, TV; Margarida de Prata, Cinema e Microfone de Prata, Rádio. A cerimônia realizada no Ginásio Poliesportivo da PUC-Rio será transmitida, ao vivo, pelas TVs católicas.

Fonte: Revista Missões

Deixe uma resposta

seis + três =