Abertura da Campanha Missionária 2017 no 4º Congresso Nacional

Material da Campanha Missionária foi apresentado durante o Congresso Missionário Nacional.

Por Robério Crisóstomo da Silva

Durante o 4º Congresso Missionário em Recife, realizado entre os dias 7 a 10 de setembro, na tarde de sábado (9) deu-se por aberta a Campanha Missionária 2017. Este momento foi dinamizado pelo padre Jaime Carlos Patias, imc, ex-secretário da Pontifícia União Missionária.

O material da Campanha vem ser sinal de pura iniciativa das mais várias forças e testemunhas de leigos e agentes que estão ligados e comprometidos com a causa do Evangelho. Trata-se da Alegria do Evangelho, por uma Igreja em saída, tema este que foi refletido e difundido no Congresso.

dvdcampanhaOutubro se aproxima é um mês dedicado profundamente à missão, que ganha mais subsídios para que as comunidades possam usufruir como material, na formação de lideranças e de orientação para com as pastorais a assumir cada vez mais a emergência da evangelização, na Alegria do Evangelho, para uma Igreja em saída.

Dom Esmeraldo Farias, presidente da Comissão para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial da CNBB apresentou o material preparado pelas POM, composto por um DVD, por um livrinho com a novena, que traz a temática de uma igreja infundada na comunhão e Sinodalidade de uma Igreja em saída, e também um outro livrinho que busca trazer reflexões sobre a realidade da missão na Amazônia. Espera-se que este material seja utilizado por todas as comunidades e agentes de pastorais.

Padre Maurício Jardim, diretor das POM, afirmou que temos dois motivos para celebrar o Dia Mundial das Missões este ano, o primeiro é a continuidade desta temática: a alegria do evangelho e o envolvimento de todos nós nesta mesma temática, este deve ser um momento rico em dinamismo missionário evangelizador. É uma alegria que brota da fé, esta alegria conforta crises, cruzes e perseguições. O Encontro com Jesus Cristo deve nos colocar em saída e chegada no dinamismo da missão, toda e qualquer saída é uma realidade escatológica. O espírito missionário deve nos preparar para esta realidade escatológica. O tema da missão nos enriquece a cooperamos de forma positiva e empenhados na realidade social e política. Boa parte da coleta da campanha missionária é destinada à Igreja e demais projetos ligados à dimensão missionária.

Irmã Irene frisou que a Amazônia é terra de missão. A rede eclesial Amazônia deve ter cada vez mais aporte de toda a Igreja. As comunidades na Amazônia vão se dinamizando com o apoio de acordo com a participação e inserção de vários missionários que chegam e dedicam boa parte de sua vida à causa da missão. Muitos conflitos e ameaças para com os povos indígenas, vem seguidas de ameaças e assassinatos de muitos que querem possuir e tomar posse deste patrimônio nacional que aporta dos cuidados dos povos originários que ali vivem e dedicam suas vidas. O sistema político atual não respeita os povos indígenas e sobretudo o povo da Amazônia; trata-se de um apelo para toda a Igreja a realizar uma opção decididamente profética para com a causa da Amazônia e sua realidade atual.

*Robério Crisóstomo da Silva, imc, é coordenador da Animação Missionária e Vocacional dos missionários da Consolata e participou como delegado do 4o. Congresso Missionário Nacional, em Recife (PE)

Deixe uma resposta

um × 4 =