Um novo Natal

Milton Kenan Junior *

Para alguns pode parecer que a cada ano, os cristãos repetem os mesmos ritos, para relembrar um fato a primeira vista tão antigo, mas ao mesmo tempo tão novo, o nascimento do Emanuel, Deus conosco, Jesus de Nazaré, o Salvador!

Na verdade, não vivemos de uma recordação. Por incrível que pareça, a cada ano revivemos o que ocorreu no meio da noite, tornamo-nos contemporâneos, podemos aproximar-nos deste Menino na companhia dos pastores, alegrando-nos com José e Maria, sussurrando palavras cheias de emoção e alegria, pela chegada de Jesus, verdadeiro Deus e verdadeiro homem!

A alegria deste fato que se irradia pelos séculos e que nos alcança hoje, no início de um Novo Milênio é o fato de que podemos ver a Deus! Deus tornou-se visível aos nossos olhos, Ele nos revelou a sua face, Ele deixou-nos penetrar no seu mistério insondável. Podemos, como os pastores e os magos do Oriente, que retornaram exultantes para suas casas, dizer a todos que nós vemos o Senhor! Podemos ver a face humana de Deus numa criança pequenina, recém-nascida, colocada sobre um presépio, que não tem para se aquecer senão algumas faixas e o hálito dos animais. Deus se fez um de nós!

Mas, se grande alegria é poder ver o Senhor, não é menor a de poder ouvi-lo, pois "a Palavra eterna fez-se pequena; tão pequena, que cabe numa manjedoura. Fez-se criança, para que a Palavra possa ser compreendida por nós." (Bento XVI, Verbum Domini, 12). Cada vez que abrimos o Evangelho, revivendo os fatos e acolhendo as palavras, como um personagem a mais nas cenas, deixamos que a Palavra que se revelou no Natal ressoe em nossos corações!

Não só vê-lo, nem só ouvi-lo, mas podemos tocá-lo também. Podemos aconchegá-lo na palma de nossas mãos, quando as estendemos para recebê-lo na Santa Eucaristia, "pão que é dado para a vida do mundo". Se Belém é a "Casa do Pão", cada Eucaristia é Natal; pois o Deus que se fez tão pequenino na manjedoura agora se faz nossa comida e nossa bebida, pão de vida eterna para nós!

Podemos hoje reviver o Natal! Também no irmão com que nos encontramos em nosso dia-a-dia, podemos nos encontrar com o Menino nascido no Natal: "Não te angusties dizendo: "Por que nenhuma pessoa em Belém quis receber com afeto o Menino e sua Mãe? Não te aflijas porque, se receberes o pobre, recebes o Menino e sua Mãe; e se de verdade acreditas nisto, andarás mais solícito em procurar o pobre que está nesta rua, e disputarás aos outros a ocasião de fazer o bem que puderes... não vos contenteis com dar umas moedas ou algo mais, mas dai esmolas em quantidade, pois é exatamente assim que Deus vos dá tantas coisas. Não sejais mesquinhos à hora de dar, já que Deus é tão generoso em dar-vos. Não deis moedinhas por Deus, já que Deus vos dá o seu Filho. Dai esmolas para bem receber Cristo neste Natal. Irmãos, esse que vem é amigo da misericórdia; que Ele vos encontre misericordiosos." (S. João de Ávila).

Natal: tempo de deixar-nos tocar por Deus que tão pequenino na manjedoura nos ajuda a superar a distância, e vencer o medo, alegrar-nos com o Amor que se torna realidade entre nós.

Feliz Natal!

* Dom Milton Kenan Junior é bispo Auxiliar de São Paulo, Vigário Episcopal para a Região Brasilândia. Blog - http://kenanepiscopal.blogspot.com

Fonte: http://braspascom.blogspot.com

Deixe uma resposta

19 − 9 =