Movimento democrático

O catolicismo na Coreia do Sul: uma religião da modernidade.

Por Geoffrey Boriga *
Foto: AFP PHOTO / Ed Jones / AFP PHOTO / ED JONES

No final do século XVIII e início do século XIX, o catolicismo passou a ser visto na Coreia como uma religião da modernidade e da ciência, introduzida por livros, não por missionários. Nas décadas de 1970 e 1980, passou a ser vista como a religião do movimento democrático que se opunha às ditaduras militares então no comando do país.

O século XVIII foi uma época de considerável fermento intelectual na Coreia. Os membros mais jovens da classe de nobreza educada (yangban) sentiram-se cada vez mais decepcionados com as escolásticas ossificadas do neo-confucionismo, que naquela época era a ideologia oficial do estado.

No entanto, todos os livros ocidentais foram traduzidos para o chinês clássico. Até então, esta era a única linguagem do discurso intelectual na China e na Coreia, por missionários católicos ocidentais que operavam na China. Previsivelmente, esses livros tecnológicos e científicos mantiveram uma série de referências positivas ao cristianismo. Assim, muitos desses jovens intelectuais começaram a ler textos cristãos traduzidos também. Muitos deles sentiram que tinham finalmente encontrado a verdade, e, por assim dizer, se converteram.

Foi assim que, no final da década de 1790, houve alguns milhares de fiéis católicos na Coreia. A maioria dessas pessoas nunca tinha visto um padre católico antes, muito menos foi batizada. O primeiro coreano a ser batizado por um padre ordenado foi um homem chamado Lee Sung-hun. Lee conseguiu visitar a China em 1784 como secretário em uma missão diplomática coreana e encontrou missionários lá.

asia2

Foto: Arquivo Vatican News

O governo coreano não olhou favoravelmente para a propagação gradual do catolicismo. Era visto como perigoso porque poderia ser usado por potências ocidentais em seus esforços imperialistas. Também foi visto como repulsivo, uma vez que os católicos se recusaram a fazer oferendas sacrificiais às almas de seus antepassados. Este último foi visto como uma violação obscena e grotesca do princípio da piedade filial.

Como resultado, várias ondas de perseguição se seguiram. Essas inquisições mataram milhares de crentes, incluindo os padres chineses, franceses e coreanos que desde o início de 1800 operavam secretamente na Coreia. No entanto, o catolicismo continuou a crescer e se espalhar entre coreanos educados e progressistas.

Na década de 1980, a taxa de crescimento anual dos católicos foi de 7,54%, o que foi um aumento de vinte vezes em comparação com as décadas de 1960 e 1970 e muito maior do que o das Igrejas Protestantes ou outras religiões. Em 1989, os católicos somavam 2.610.000 ou 6% da população. No entanto, a partir da década de 1990, a taxa de aumento dos católicos tem sido relativamente lenta e a taxa de aumento em 1997 registrou apenas 3,2% com o total de 3.676.211 fiéis ou 7,9% da população. Atualmente, o número de católicos permanece em 11,1% da população total, de acordo com as estatísticas de 2019. O maior impulso para esse rápido crescimento foi a situação geral da sociedade coreana na época em que os abusos dos direitos humanos eram desenfreados. Também quando o processo de industrialização e urbanização levou muitas pessoas à alienação social, a Igreja Católica entrou fortemente. Nesse contexto, as pessoas buscavam a fé para estabelecer sua autoidentidade e encontrar uma explicação para as realidades da época.

Outra razão pela qual muitos procuraram a Igreja Católica foi porque ela mostrou uma determinação maior do que outras religiões nos esforços para realizar justiça social e melhorar os direitos humanos dos oprimidos. Também temos que notar que a sociedade coreana é uma sociedade multi-religiosa e que metade da população praticamente não tem religião. Portanto, a maioria dos recém-chegados foram capazes de se tornar católicos sem ter que passar por um processo de conversão religiosa. Isso pode ser visto como um elemento cultural diferente do de outros países. ν

* Geoffrey Boriga, imc, é missionário em Roma, Itália. Trabalhou na Coreia do Sul.
TagsÁsia

Deixe uma resposta

nove − sete =