Comissão Nacional para Paz e Reconciliação

Padre Han em celebração com a comunidade. Foto: Arquivo Pessoal

Padre Han em celebração junto ao grupo da partilha de paza na capela dos missionarios da consolata. Foto: Arquivo Pessoal

PODCAST:

Missionário da Consolata faz parte de Comissão para a Reconciliação, na Coreia do Sul.

Por Han KyoungHo *

Na Conferência dos Bispos Católicos da Coreia do Sul existem várias comissões e dentre elas, uma que não é encontrada nas Conferências Episcopais de outros países. É chamada de Comissão Nacional da Conferência Episcopal dos Bispos Coreanos para a Reconciliação.

Presente em todas as dioceses da Coreia do Sul, essa Comissão tem como objetivo a reunificação pacífica da Península Coreana, que está dividida em ideologias e sistemas desde a Guerra da Coreia, em 25 de junho de 1950. Já se passaram quase 68 anos desde o fim desta Guerra e vive-se um 'estado de cessar-fogo', porque ela ainda não acabou. As cicatrizes da divisão ainda são uma grande dor para ambas as Coreias.

A Comissão Nacional para a Reconciliação foi instituída em 1982. O nome original era 'Ministério Missionário para a Coreia do Norte'. Em 1984, no início do bicentenário do estabelecimento da Igreja Católica na Coreia, o nome foi mudado para 'Comissão de Missão para a Coreia do Norte'. Desde 1999 é oficialmente conhecida como ‘Comissão Nacional da Conferência Episcopal dos Bispos Coreanos para a Reconciliação'.

Por muito tempo, a Comissão Nacional para a Reconciliação continuou seu movimento de oração e também de ajuda humanitária.

De maneira especial, a Conferência Episcopal dos Bispos Coreanos decidiu realizar um momento diário de oração pela paz. Isto é feito desde 2019, diariamente, às 21h, quando todos os cristãos param para rezar o Pai Nosso, a Ave Maria e o Glória. Congregações religiosas e sociedades na Coreia do Sul também realizam esse momento de oração e ajuda humanitária. No entanto, cada um o faz por si só, como um apostolado particular.

Em 2015, as congregações e sociedades religiosas masculinas coreanas também estabeleceram a Comissão Nacional para a Reconciliação.

Quando padre Han retornou do Brasil, onde estava trabalhando, para a Coreia do Sul, refletiu sobre qual era a atividade pastoral mais urgente dos missionários da Consolata para a Coreia naquele momento e ao encontrar-se com os padres religiosos que trabalhavam pela paz resolveu se juntar à "Comissão Nacional para a Reconciliação das Congregações Religiosas Masculinas". Há cinco anos, um total de oito congregações religiosas masculinas participam desta comissão.

Cada terceira segunda-feira do mês é dedicada às atividades e encontros, bem como à celebração eucarística. Os membros da Comissão visitam os centros que hospedam aqueles que fugiram da Coreia do Norte para celebrar missas e realizar outras atividades em conjunto.

Rezemos todos pela paz na Península Coreana.

* Han KyoungHo, imc, é missionário na Coreia do Sul.

Deixe uma resposta

5 × um =