Multinacionais querem privatizar uso da água e Temer negocia

O governo do presidente de facto, Michel Temer, advertido para o efeito extremamente negativo da medida, resolveu adiar a primeira reunião para tratar da privatização da água no Brasil.

Por Redação do Correio do Brasil

A sanha privatista do governo instalado após o golpe de Estado, em curso, atinge um dos segmentos mais estratégicos para o crescimento do país, segundo revelou um alto funcionário da Agência Nacional de Águas (ANA), em condição de anonimato, à reportagem do Correio do Brasil, na manhã desta segunda-feira, dia 5 de setembro. O Aquífero Guarani, reserva de água doce com mais de 1,2 milhão de km², deverá constar na lista de bens públicos privatizáveis, à exemplo das reservas de petróleo no pré-sal e da estatal federal de energia, Eletrobras.

O governo do presidente de facto, Michel Temer, advertido para o efeito extremamente negativo da medida, caso venha a ser adotada, resolveu adiar para o dia 12 de setembro a primeira reunião do conselho do Programa de Parceria e Investimentos (PPI), na qual serão definidas as primeiras concessões e privatizações do governo, acrescentou a fonte. As negociações com os principais conglomerados transnacionais do setor, entre elas a Nestlé e a Coca-Cola, seguem “a passos largos”.

Representantes destas companhias têm realizado encontros reservados com autoridades do atual governo, no sentido de formular procedimentos necessários à exploração pelas empresas privadas de mananciais, principalmente no Aquífero Guarani, em contratos de concessão para mais de 100 anos — acrescentou.

A primeira conversa pública acerca deste e de outros setores que tendem a seguir para a iniciativa privada estava prevista o dia 25, mesmo dia em que foi aberto o processo de votação do impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Esta coincidência foi fatal para o adiamento da reunião.

O anúncio deve conter uma lista de concessões mais “imediatas”, como as concessões dos aeroportos de Porto Alegre (RS), Florianópolis (SC), Salvador (BA) e Fortaleza (CE) e dos terminais de passageiros dos portos de Fortaleza e Recife (PE). Além disso, deve haver uma outra relação de projetos a serem concedidos ou privatizados no médio prazo, com leilões que podem ocorrer em até um ano, como das distribuidoras de energia da Eletrobras e dos mananciais de água doce.

Fator estratégico

A relevância de um dos maiores mananciais mundial de água doce é tamanha que, há décadas, tem sido alvo da especulação quanto ao seu uso e exploração. O Projeto de Proteção Ambiental e Desenvolvimento Sustentável do Sistema Aquífero Guarani, conhecido por Projeto Aquífero Guarani (SAG), da ANA, foi criado com o propósito de apoiar Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai na elaboração e implementação de um marco legal e técnico de gerenciamento e preservação do Aquífero Guarani para as gerações presentes e futuras. Após a vitória dos conservadores na Argentina e os golpes de Estado por orientação da ultradireita, tanto no Paraguai quanto no Brasil, restou ao Uruguai votar contra a privatização do aquífero.

Esse projeto foi executado com recursos do Global Environment Facility (GEF), sendo o Banco Mundial a agência implementadora e a Organização dos Estados Americanos (OEA) a agência executora internacional. A GEF, no entanto, mantém laços muito próximos às grandes corporações.

Com área total de 1,2 milhões de km², dois terços da reserva estão em território brasileiro, no subsolo dos Estados de Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. “A importância estratégica do Aquífero para o abastecer as gerações futuras desperta atenção de grupos de diferentes setores em todo o mundo”, afirma documento da Organização de Direitos Humanos Terra de Direitos.

“A sociedade civil organizada está atenta às possíveis estratégias de privatização de grupos econômicos transnacionais. Uma vez que, em 2003, a Organização dos Estados Americanos (OEA) e o Banco Mundial, através do Fundo Mundial do Meio Ambiente (GEF), implementaram o projeto de Proteção Ambiental e Desenvolvimento Sustentável que visa reunir e desenvolver pesquisas sobre o Aquífero Guarani, com objetivo de implementar um modelo institucional, legal e técnico comum para países do Mercosul”, acrescenta.

Água privatizada

presidentedanestleO empresário austríaco Peter Brabeck-Letmathe, principal financiador de campanha dos partidos de extrema direita naquele país, preside o grupo Nestlé desde 2005 e nunca escondeu seu objetivo de tornar o fornecimento da água passível de exploração ainda mais acentuada pelas companhias do setor alimentício. O comércio de água representa 8% do capital do conglomerado que, em 2015, totalizaram aproximadamente US$ 100 bilhões.

“A água que você precisa para a sobrevivência é um direito humano, e deve ser disponibilizada a todos, onde quer que estejam, mesmo que eles não possam se dar ao luxo de pagar por isso. No entanto, também acredito que a água tem um valor. As pessoas que usam a água canalizada para a sua casa para irrigar seu gramado, ou lavar o carro, devem arcar com o custo da infraestrutura necessária para a sua apresentação”, disse Brabeck-Lemathe em recente artigo publicado na sua página, em uma rede social.

As fábricas que engarrafam, em muitos casos tomam a água da mesma rede destinada para uso público. Muitas vezes, como a Coca Cola, acrescentam um pacote de minerais e a chamam de “água mineral”. Com este procedimento, o preço da água de garrafa salta em mais de mil por cento, “engarrafando-a e tornando-se um dos negócios mais descarados do mundo capitalista”, revela a analista venezuelana Sylvia Ubal, em recente artigo publicado naquele país.

“Nestes tempos da globalização estamos assistindo uma concentração impressionante da indústria em torno de quatro a cinco multinacionais que estão criando um monopólio. Indústrias como Nestlé, Danone, Coca Cola, Pepsi Cola, possuem dezenas de marcas em torno de cada uma delas, que marcam o preço e a qualidade da água sem controle algum. Nos EUA mais de um terço da água engarrafada é simplesmente água de torneira tratada ou não; sendo um negócio monopolizado pela Nestlé e Danone, as líderes mundiais”, acrescentou.

Ubal afirma, ainda, que está cada vez está mais claro que a água doce é um recurso finito, “vulnerável à contaminação – que é excessiva por parte das empresas transnacionais”.

“Esta situação contribuiu para conceber a água como um bem mercantil e não como um direito fundamental, em prejuízo à satisfação das necessidades humanas básicas, das concepções ancestrais das comunidades étnicas, gerando assim maior desigualdade social e afetando, por sua vez, a biodiversidade e o equilíbrio dos ecossistemas. A expansão deste negócio exige das grandes corporações de bebidas e alimentação como a Coca Cola, Pepsi Cola, Danone, Nestlé…, a ter cada vez mais acesso aos recursos hídricos, impulsionando a privatização de água e aquíferos. E o setor da água engarrafada está crescendo muito rapidamente em todo o mundo, sendo o negócio mais lucrativo atualmente, mas também é um dos menos regulados, o que dá lugar a situações verdadeiramente escandalosas”, conclui.

Fonte: correiodobrasil.com.br

27 comments

  1. Miguel Ângelo 26 setembro, 2016 at 20:30 Responder

    Não podemos permitir que o sentimento de desilusão com a classe política brasileira sirva de desmotivação para que não participemos do processo eleitoral para prefeitos e vereadores. A atitude de não participar deste processo serve como combustível para os representantes das elites no congresso nacional aprovarem todos os projetos e reformas que retiram os direitos da classe trabalhadora e de toda a sociedade brasileira. A eleição de candidatos dos partidos que são favoráveis as reformas trabalhista e da previdência vão acelerar ainda mais todo esse processo, pois com argumento de que a sociedade votou nos seus candidatos o legitimam para adotar todas as medidas que entenderem como soluções para crise política e econômica do nosso país. Na verdade, as reformas essenciais para crise que estamos vivendo são as reformas fiscais e política, principalmente no que diz respeito as benesses concedidas aos empresários e aos políticos do Brasil (carros, empregados, benéfico moradia), pagos com os impostos do trabalhador.

  2. Grasiela Piasson 16 setembro, 2016 at 18:02 Responder

    Acho estranho as pessoas terem dificuldade para acreditar nunca coisa óbvia dessas, e ao mesmo tempo tão absurda, sim. A quem não acredita, meus sentimentos, mas é isso mesmo. O jornalismo investigativo não está jogado em todas as páginas. Sabemos que o recurso natural mais precioso é a água e que os gananciosos por dinheiro e poder não pensam no bem da humanidade, pensam apenas em seus próprios cofres, que são na verdade, públicos. A natureza é de Deus e não uma posse de homens estúpidos.

  3. Ironhide 16 setembro, 2016 at 01:40 Responder

    Oh mentira deslavada. Não há referência alguma sobre isso na internet e nem mesmo fontes confiáveis. Quando não se discute de maneira inteligente é isso que dá. boato, hoax, e outras mentors para desestabilizar o país, porque os de vermelho só pensam neles e no partido. Que de Dane os 12 milhões de desempregados né o massa de manobra pseudo intelectual.

    • Ed Vargas 16 setembro, 2016 at 16:47 Responder

      Acho justo que o senhor conteste a informação. Ela não é suficientemente clara, não apresenta provas cabais, só apela para a nossa convicção de que o governo Temer é entreguista e disso sim temos algumas provas. De todo modo acusar “os de vermelho” de se importar com o poder em detrimento da pátria e da estabilidade me parece uma tentativa desastrada de inverter o que de fato o mundo tem visto no Brasil desde 2014.

      Era para termos uma presidente legitimamente eleita, no mínimo, neste momento. Porém, graças aos derrotados nas urnas e que “só pensam neles e no partido deles” a democracia foi massacrada e nossos problemas estão se agravando.

      Sinto muito senhor “esconde o ferro” (IRONHIDE?) mas não basta ficar afirmando as coisas como se não existisse nenhuma criatura com olhos, ouvidos e cérebro avaliando se as coisas são ou não são do jeito que se afirma. Eu não sei o que acontece com vocês sinceramente.

  4. EVANDRO M ANDRADE 15 setembro, 2016 at 19:53 Responder

    A coisa mais estúpida que já li. Logo dirão que o governo (temmer,lula,aecio ou qualquer idiota ) privatizará o Ar, a luz do sol, o direito a vida. São direitos difusos!

  5. Ronald 15 setembro, 2016 at 17:42 Responder

    Sinceramente, parei de ler na primeira linha, logo após o “após o golpe de Estado. Isso porque o uso da expressão (que não cabe numa mídia imparcial) remete a uma matéria tendenciosa e que, de fato, estimula a compreensão de se tratar de um assunto plantado para gerar revolta. Não sou adepto de político A ou B, apenas analiso os fatos. E o principal na matéria em questão é observar como a comunicação tendenciosa é um desserviço para a população em geral.

    • Ed Vargas 16 setembro, 2016 at 17:12 Responder

      É uma pena Ronald que você negue a uma “mídia imparcial” o direito de dar as coisas o nome delas. Quer dizer que quem não trata o golpe de Estado como golpe e sim como um impeachment legal e constitucional faz isso porque não tem lado? Quanta sabedoria fera!

      O golpe de Estado é um fato. No mínimo, se quiser, é a outra tese corrente e muito aceita (em todos os setores, em qualquer lugar do mundo em que se ouviu falar dos acontecimentos no Brasil) e não um “assunto plantado para gerar revolta”.

      Temos o direito de seguir a outra tese ou só a tese da “mídia imparcial” que você deve ter encontrado pelos matos? Se o senhor ousar ir além do fantástico mundo da Globo, ou o Brasil da editora Abril vai se dar conta de que existem muitas partes, particulares e partidos com parcelas tanto de arbítrio quanto de imparcialidade. Respeite.

      Atenciosamente.

  6. ALCILEIA NEVES 14 setembro, 2016 at 11:31 Responder

    ATÉ A ÁGUA QUE DEUS NOS DEU E PARA A NOSSO PLANETA , ELES …. QUEREM NOS TIRAR ! MEU DEUS O HOMEM ENGOLINDO O OUTRO SÓ POR CAUSA DE DINHEIRO . GANÂNCIA !

    • Ricardo 14 setembro, 2016 at 17:23 Responder

      Primeiro é importante sabermos se a notícia procede. Nenhum bem mineral é privatizado. As empresas recebem autorizações para minerarem ou utilizar o bem mineral. Parece que a notícia se baseia em alguém que disse que um outro ouviu e assim por diante, e tudo parte de uma fonte desconhecida.

  7. Carlos 13 setembro, 2016 at 09:03 Responder

    A água é um bem mundial, é a própria vida na terra e como tal deve ser preservada, não por instituições privadas, mas sim por instituições governamentais e de caráter humanitário.

  8. Nando 13 setembro, 2016 at 08:40 Responder

    É preciso constitui uma frente política popular se queremos salvar nosso país. A elite política brasileira é antinacionalista, vou entregando o Brasil sem nenhuma cerimônia. Quando vamos deixar de ser colônia? Enquanto ficamos aqui brigando por partido da esquerda ou direita todos eles vão detonando o Brasil e os brasileiros. Não somos nada para essa elite. O sentimento de pertencimento a uma nação deve ser nosso. Não fiquem achando que essa elite vai melhorar nossas vidas. Só vai haver mudanças com lutas e conquista a partir da sociedade civil. É questão de atentarmos para isso.

  9. paulo 12 setembro, 2016 at 22:38 Responder

    A questão não é essa indivíduo, não interessa quem faça, o importante é fazer o alerta e lutar contra esse governo golpista. E você tem moral para falar do PT…o que faz em prol da sociedade? Não vamos ficar parado enquanto essa turma do mal leiloa o Brasil. Abaixo a exploração e a privatização dos bens naturais!

  10. WILSON BORTOLOTTO 12 setembro, 2016 at 20:18 Responder

    Quero deixar uma informação ao José Henrique, entre os seis partidos mais corruptos do Brasil, o PT é o setimo, segundo divulgação: TESE RANKING DA CORRUPÇÃO NO BRASIL POR PARTIDOS, investigue.
    Dizer que o PT não tem experiencia de governar? veja as ruas depois do golpe, governou por 14 anos e é considerado pelo mundo como o partido que mais tirou gente da miséria, e colocou 40 milhões de pessoas em nova classe social, de 2000 até agora dobrou o número de automóveis, foi de 20 milhões de contas bancárias para 60 milhões, elevou a auto estima do pais, reduziu de 34% os juros para 12%, o risco Brasil de 4.000 para 200 pontos, teve mais investimentos nos últimos 12 anos, do que nos 40 passados, triplicou o número de universidades, praticamente reasfaltou o país, falta leitura a vc, pois se vc assistir na Rede Globo, nem a maior ponte de Santa Catarina construída por Dilma, nunca mostraram, muito menos a rodovia 101 duplicada e com um pedágio de R$2,30 cada 100 kilometros, bem quem não se informa fala isso ai que vc falou, Tiveram que fazer um golpe para mudar o poder, pois pelo voto o povo vai trazer Lula novamente, é só ver as pesquisas…

  11. ARMANDO RAMOS 12 setembro, 2016 at 18:50 Responder

    Uau . A se basear por esse artigo , o tridente , chifres e enxofre passam dos que realmente depauperaram o patrimônio dos brasileiros para os que (ainda) não o fizeram … para os “não golpistas ” (risos) , a manutenção de empresas estatais gigantes e deficitárias se justifica para que se perpetuem práticas como as cometidas no bndes e petrobras. A vale do Rio doce , “criminosamente ” privatizada (risos) , deixou de ser deficitária em 1,2 bilhão (seus) por ano para gerar um retorno em impostos de 800 milhões por ano . Bom , cada um tem a sua visão…

    • Hugo 14 setembro, 2016 at 09:33 Responder

      Tolo, o tridente nunca tinha deixado de maos. Deixe a ideologia de lado, pois a questão é seria. Já aconteceu em países como os Estados Unidos e Canada e lá cidades inteiras se uniram contra as tentativas de privatizacao dos mananciais por empresas como Nestlé e Coca Cola.

    • César Moura 14 setembro, 2016 at 13:54 Responder

      Vc não vai ver na globo, claro, mas os papéis da vale derreteram com a crise das commodities – muito mais do que a Petrobrás. Isso apesar da Vale ser de longe a maior sonegadora de impostos do Brasil – divida de US$41bi! E se ela hoje é conhecida é pelos acidentes ambientais que ficam sem punição – Rio Doce sendo apenas um deles.

    • Mary Simonette 13 setembro, 2016 at 12:01 Responder

      Enquanto a direita ocupar o poder, enquanto o PSDB dominar o governo de temer o golpista, eles irão dilapidar o Brasil. Esses políticos do PSDB não trabalham para o Brasil, eles trabalham para multinacionais que têm interesses em abocanhar nossas riquezas a preço de banana.

  12. Nadia 12 setembro, 2016 at 13:28 Responder

    O aquífero assim como todos os outros recursos naturais suprem as necessidades não somente da humanidade como as florestas e dos animais.. Nenhuma empresa multinacional pode garantir sua preservação, ao contrário seria um caminho mais rápido para acabar com o recurso . Se não pertence ao governo, pois é um bem natural, com qual autoridade o mesmo privatiza e da o direito à outros sobre o aquífero? Muito fácil chegar em um pedaço de terra e dizer aqui e meu, e como a escravidão,.
    Alguém diz que os negros não tem alma e o mesmo acredita nisso deixando se escravizar. Logo vão querer privatizar a Amazônia..

  13. Fátima Linhares 12 setembro, 2016 at 08:27 Responder

    Vamos deixar nossa àgua ir pelo ralo?? Isso é um absurdo! Isto é um assalto ao povo brasileiro e à toda a humanidade!! Acorda Brasil (enquanto há tempo)!!

  14. José Henrique 11 setembro, 2016 at 20:18 Responder

    O PT não tem nenhuma moral para fazer esse alerta a quem quer que seja.
    Ele teve a sua chance, tendo eu apoiado intensamente, mas desperdiçou.
    Hoje eu quero apenas ver essa gente na oposição, mas com muita restrição, pois já comprovou não ter condições de promover os avanços que a população necessita e espera.
    Foi mais uma grande frustração .
    José Henrique de A. Silva.

    • Mary Simonette 13 setembro, 2016 at 12:11 Responder

      Faça uma análise do governo do PT durante esses 13 anos, mas com imparcialidade, sem consultar as mentiras da globolico. Consulte os dados técnicos o que era o Brasil antes do PT e durante o governo do PT até Cunha chegar ao poder. Cara o Brasil deu um salto nesses 13 anos de PT cresceu muito mais que outros países ricos como EUA e Europa. A crise chegou nos outros países rm 2008 no Brasil a crise só comecou a nos afetar em 2013, mas mesmo assim Dilma conseguiu fazer o PIB brasileiro crescer 4% en quanto o PIB dos países ricos estavam negativos. Dilma conseguiu criar 20 milhões de empregos durante a crise enquanto nos países ricos o desemprego batia o índice de 20%. Então antes de afirmar tais sandices da globo se informe em dados técnicos reais do nosso país.

Deixe uma resposta

12 − 5 =