Irmã do Imaculado Coração de Maria é enviada ao Haiti, aos 75 anos

Ir. Leônia Terezinha Weber vive o grande desafio de sua primeira missão além-fronteiras.

Por Magnus Regis

“Disseram-me: ‘Com esta idade indo para o Haiti, você é louca?’ Eu fui convidada para a missão e irei. Este é um presente de Deus” – esta é a forte convicção da Irmã Leônia Terezinha Weber.

Irmã Leonia Terezinha Weber ICMAos 75 anos de vida e 51 de vida religiosa consagrada, Irmã Leônia vive o grande desafio de sua primeira missão além-fronteiras. Desde o dia 23 de julho, a religiosa passou a integrar a comunidade missionária da Congregação das Irmãs do Imaculado Coração de Maria no Haiti: “Já comecei a amar aquele povo de verdade” afirma a religiosa.

Em janeiro, o convite foi oficializado pela coordenadora da Província Nossa Senhora de Guadalupe, Irmã Maria Inês Sampaio. A provincial a informou que teria tempo para pensar, mas a resposta da Irmã veio ‘na lata’: “na mesma hora eu disse SIM. Não tinha porque negar. Não posso dizer não, ainda mais quando o trabalho é para Nossa Senhora e para a nossa fundadora, a Bem-aventurada Bárbara Maix” disse.

Irmã Leônia afirma que integrará a comunidade formadora. A missão primeira será o trabalho evangelizador nas comunidades e grupos locais. Outro trabalho que ela desenvolverá será o ensino de uma de suas boas habilidades – o artesanato.

Antes de partir para o Haiti, Irmã Leônia passou um mês na comunidade ICM de Manaus/AM, onde acompanhou o trabalho realizado pelas Irmãs Santina Perin e Davina da Paz Cardozo junto aos imigrantes haitianos na Paróquia São Geraldo. Este tempo também serviu para aprender um pouco do seu novo idioma, o créole: “As Irmãs me ensinaram como é o povo, o contato e o trabalho naquele país” disse.

A Irmã ICM encara sua nova missão como um presente de Deus. Ela afirma que aos 75 anos está completamente disposta e animada para acolher o novo. Sua maior motivação é a consciência de que nada do que Deus pede pode ser negado: “recebi o convite como um presente de Deus para fazer algo mais pelo povo que precisa. Tenho sempre em pensamento que onde precisar que eu esteja e se eu estou em condições de ajudar, jamais posso dizer não”.

Irmã Leônia conta que ao falar da novidade para as coirmãs, amigas e amigos, o sentimento foi de surpresa: “Disseram-me: ‘Com esta idade indo para o Haiti, você é louca?’ Eu fui convidada para a missão e irei. Este é um presente de Deus. Não dizem que com 75 anos de idade os bispos ficam eméritos (aposentados)? Eu com esta idade estou indo para a missão muito feliz!” enfatiza.

Esta é a primeira vez que a Irmã Leônia deixa o Brasil para assumir uma missão evangelizadora. Do Brasil, especialmente de São Paulo, estado onde residia, leva a recordação das visitas missionárias que fazia às favelas, cortiços e à penitenciária feminina: “lá eu encontrava com mulheres de vários países e sei como é difícil estar em outro país, sem assistência” afirma.

Ao final da entrevista, a religiosa deu um conselho para aquelas e aqueles que sentem a vontade de sair em missão. O recado foi este: “quem for convidado a ser missionário, se tem condições de ir, não negue o SIM. Deus vai à frente e Nossa Senhora também acompanha”.

Currículo

Gaúcha da cidade de Faxinal do Soturno, Irmã Leônia Weber nasceu no dia 21 de março de 1941. Professou votos religiosos na Congregação das Irmãs do Imaculado Coração de Maria no dia 6 de janeiro de 1965. Os votos perpétuos foram professados durante Santa Missa no dia 5 de abril de 1969. Desde 1968 passou por diversas comunidades no estado de São Paulo. Foi conselheira provincial do setor educação e, desde 2009, estava na comunidade Oásis, na cidade de Rio Claro.

Presença no Haiti

Há 28 anos, a Congregação das Irmãs do Imaculado Coração de Maria é presença solidária e evangelizadora no Haiti com duas comunidades em Jéremie. Na realidade local as Irmãs atuam com a educação popular, formação de lideranças, comunidades eclesiais de base, infância missionária e geração de renda com as hortas comunitárias.

Deixe uma resposta

dezesseis − 12 =