Missionários da Consolata realizam Conferência e atualizam sua Missão no Brasil

Jaime C. Patias

Os missionários da Consolata no Brasil reunidos em São Paulo, entre os dias 17 e 24 de julho, realizaram a sua XI Conferência Regional. A reunião máxima da congregação no Brasil acontece a cada seis anos, com a finalidade de atualizar as diretrizes e propostas vindas do Capítulo Geral (o último foi realizado nos meses de maio e junho de 2011, em Roma, Itália).

Após apresentação dos relatórios sobre as atividades das várias secretarias, guiados pelo documento de trabalho, os cerca de 50 membros da Conferência se debruçaram sobre os temas da Identidade e Carisma, Missão, Animação Missionária Vocacional, a organização do Instituto no Brasil, a formação, os leigos e a economia, a comunicação, entre outros. Cada um dos temas foi estudado em grupos de trabalho onde eram elaboradas propostas e apresentadas em plenário. No final, a assembleia aprovou um Documento com as prioridades e propostas operativas que deverão orientar os missionários da Consolata no Brasil nos próximos seis anos. "Missionários da Consolata no Brasil, ode está sua Missão?" Esta pergunta os desafiava a permanecerem fiéis ao carisma da Missão Ad Gentes além-fronteiras, segundo o espírito do Fundador, o Bem-Aventurado José Allamano.

Durante os trabalhos, a assembleia recebeu a visita da Superiora Geral das Missionárias da Consolata - MC, Irmã Simona Brambilla, e da Superiora Regional, Irmã Edite Cobalchini que falaram da sua recém-concluída Conferência Regional. Irmã Edite explicou que a reunião se concentrou sobre três áreas principais: reavivar a essência da Congregação; privilegiar a comunidade; viver a Missão Ad Gentes de forma inculturada. Por sua vez, Irmã Simona recordou os dois mandatos principais do Capítulo Geral das MC de 2011, quais sejam: "renovar as Constituições e redesenhar as presenças". Em 2014 as missionárias terão um Capítulo extraordinário para aprovar as novas Constituições. "Nos próximos seis anos, a Ásia será o lugar prioritário para o envio de novas missionárias, e se possível, em comunhão com o IMC", garantiu a Madre Geral.

No dia 24, ao encerrar os trabalhos, o presidente da Conferência, padre Elio Rama, Superior Regional do IMC no Brasil agradeceu e fez um apelo a cada um dos membros da Conferência a assumirem com empenho e coragem o Documento aprovado por unanimidade. "As decisões que aqui tomamos são o início de uma nova caminhada. A realização das propostas depende da cada um de nós, certos de que não o faremos sozinhos, mas protegidos pelo nosso Fundador, o Bem-aventurado José Allamano e a nossa Mãe Consolata", sublinhou padre Elio.

Vindos de Roma, o Vice-Superior Geral, Pe. Dietrich Pendawazima, o Conselheiro Geral, Pe. Salvador Medina e o Administrador Geral, Pe. Rinaldo Cogliati, observaram o desenrolar dos trabalhos. Padre Medina destacou os últimos acontecimentos no Brasil e no continente como espaços propícios à reflexão desde a Cúpula dos Povos e a Conferência da ONU na Rio + 20, os encontros das CEBs, Pastoral Afro-Americana, Pastoral Indígena e o Congresso Missionário. "Tudo isso ajudou a confrontar com a Missão Ad Gentes, com a identidade e o Carisma e a elaborar propostas para concretizar as decisões". Falou também da corresponsabilidade na construção coletiva do Projeto Regional que, segundo ele, "exigiu um espírito de corpo com a participação de todos". Para padre Cogliati, a crise econômica mundial nos ensina que as soluções não estão nos políticos, nem em técnicos, mas "na austeridade de viver segundo as condições de vida que verdadeiramente podemos. Não somos governo nem banco, mas uma Comunidade Religiosa e devemos ver quais são os supérfluos que estão atrapalhando o caminho da Missão".

Na missa de encerramento, padre Pendawazima exortou os missionários a passarem para a outra margem do rio, apesar das correntes e ventos contrários. "A Conferência Regional do Brasil está em sintonia com esta estratégia. Isso exige disposição de todos para cumprir o mandato do último Capítulo Geral de buscar um caminho radical de conversão. Que esta Conferência, a exemplo do que Maria fez, seja um ato de fé que ajude a passar para a outra margem", destacou.

A Congregação fundada em Turim, no norte da Itália, em 1901, é composta hoje por mais de mil membros provenientes de 21 países, trabalhando em quatro continentes. O IMC chegou ao Brasil em 1937 e conta com cerca de 50 missionários atuando nos estados de São Paulo, Paraná, Bahia e Distrito Federal. No Seminário Teológico Internacional do bairro Ipiranga, em São Paulo, estudam 28 seminaristas, em sua grande maioria proveniente da África.

Fonte: Revista Missões

Deixe uma resposta

8 − 1 =