Caminha conosco, Senhor Fica conosco, Senhor

Alfredo J. Gonçalves , CS*

Caminha conosco, Senhor, quando o desânimo ameaça paralisar nossos passos
E o horizonte se enche de sombras obscuras que impedem ver a nova aurora;
Fica conosco, Senhor, quando nos domina a agitação febril do fazer e do produzir
E não sobra mais tempo para o para o repouso e a paz, a oração e a contemplação.

Caminha conosco, Senhor, quando a estrada é íngreme e tudo em volta é deserto,
Sentimo-nos órfãos e solitários, perdidos e abandonados em becos sem saída;
Fica conosco, Senhor, quando somos tomados pelo frenesi do ter e do consumir
E esquecemos que poucas coisas, frugais e sóbrias, bastam para fazer-nos felizes.

Caminha conosco, Senhor, quando a escuridão da noite nos enche de medo e angústia,
E tudo em volta parece povoado de vozes estranhas e fantasmas desconhecidos;
Fica conosco, Senhor, quando os minutos e as horas, os dias, os meses e os anos
São devorados pelo afã de aplausos e títulos, riqueza e poder, fama e celebridade.

Caminha conosco, Senhor, quando o fardo dobra de peso, as pernas tremem e vacilam,
A cruz das dores e do sofrimento se amplifica e não sabemos como carregá-la;
Fica conosco, Senhor, quando, apesar da carga que nos encurva os ombros,
Teimamos em ir adiante, não admitindo a fragilidade nem a necessidade de parar.

Caminha conosco, Senhor, quando o ruído das coisas, das máquinas e das pessoas
Nos tornam surdos aos apelos que nos chegam do alto e do chão, de dentro e de fora;
Fica conosco, Senhor, e ensina-nos a resgatar o dom do silêncio e da escuta,
Na busca de um oásis de paz e de quietude em meio às turbulências do cotidiano.

Caminha conosco, Senhor, quando nos surpreendem as encruzilhadas da vida
Ilumina o rumo de nossa escolha, para não perdermos a direção do porto;
Fica conosco, Senhor, quando as nuvens se adensam e perdemos a luz do sol,
Ensina-nos a acender uma vela, por menor que seja, ou a caminhar no escuro.

Caminha conosco, Senhor, quando a multidão apressada nos absorve e atropela,
E nos fragmentamos em mil funções desconectadas de um eixo seguro;
Fica conosco, Senhor, quando necessitamos recolher nossos fragmentos dispersos
E reconstruir o significado e a coluna vertebral da existência dilacerada.

Caminha conosco, Senhor, quando a ânsia dos shows, da imagem e dos espetáculos
Nos leva a substituir a via lenta e longa do processo pela vida curta do evento;
Fica conosco, Senhor, quando precisamos acreditar no fermento e na semente,
Que germina no ventre úmido e oculto da terra, antes de buscar o sol, o ar e o céu.

Caminha conosco, Senhor, quando atividades desencontradas travam a trajetória,
E nos perdemos em meio a um corre-corre que ameaça submergir-nos;
Fica conosco, Senhor, quando a sede, a fome e o cansaço batem à porta:
Nutre-nos com tua água viva, teu alimento eucarístico e teu repouso vivificante.

Caminha conosco, Senhor, como o fizeste com os discípulos de Emaús,
Sê um forasteiro que interpela os fatos e os ilumina com a Palavra;
Fica conosco, Senhor, quando declina o dia e as trevas se aproximam,
Sê ao mesmo tempo nosso hóspede e anfitrião, que oferece pão e salvação.

Pe. Alfredo J. Gonçalves, CS
São Paulo-SP, 29 de abril de 2011

Fonte: www.provinciasaopaulo.com

Deixe uma resposta

quatro × um =