Encontro-desencontro

Alfredo J. Gonçalves *

Já cruzei tantas estradas em busca de Teu Caminho,
mas tuas pegadas se apagam de minha pobre razão;

Já esquadrinhei tantas pessoas em busca de Tua Face,
mas todos me devolvem rostos frios e indiferentes;

Já li tantas páginas à procura de Tua Palavra,
mas quase sempre topo com a tagarelice de palavras vazias;

Já dediquei tantos momentos a decifrar Teu Silêncio,
mas tropeço com um mutismo árido e impenetrável;

Já me dispus a abrir o coração à Tua Visita,
mas nele só descubro sentimentos turvos e desconhecidos;

Já bati tantas vezes à porta de Tua Casa,
mas só ouço o eco de meus próprios gemidos;

Já me torci e retorci nas sendas de Tua Verdade,
mas a cada esquina deparo com novas interrogações;

Já me atirei com sofreguidão à água viva de Tua Fonte,
mas a sede volta a ressecar meus lábios e minha alma;

Já tentei identificar o significado de Tua Vida,
mas o cotidiano consome minhas parcas energias;

Já tentei me colocar em órbita ao redor de Tua Luz,
mas as trevas dominam grande parte de meus dias;

Já tentei orientar meus passos com o brilho de Teu Olhar,
mas tenho de aprender a caminhar no escuro;

Já empreendi várias tentativas de desvendar Tua Vontade,
só me resta colocar-me confiante em Tuas Mãos.

* Padre Alfredo J. Gonçalves, CS, Assessor das Pastorais Sociais.

Fonte: Alfredo J. Gonçalves

Deixe uma resposta

5 × 5 =